Editora Zamoner - Genesis

Horário de atendimento

De segunda a sexta-feira das 08:00 as 11:00 e das 14:00 as 17:00


Gêneros dos textos
Infantil113
Artigos294
Ensaios60
Contos471
Crônicas415
Poesias1497
Resenhas56
Entrevistas24
Pensamentos312


Mais visitados
CRÔNICA, CONTO, ROMANCE, NOVELA...14060
M I N H A M ã E2916
B E I J A - F L O R2654
Cotas: uma forma de reparo social1820
Ela:Tornando-se primeiro pronome.1619


Mais recentes
Primavera22/09/2020
O Código de Ética de Psicologia e a Prática do Psicólogo nas Organizações10/08/2020
A interface entre o filme "O Senhor das Moscas" e a Psicologia Organizacional: teoria e prática.8/08/2020
Soneto COVID-194/04/2020
VOCÊ JÁ LAVOU SUAS MÃOS HOJE?3/04/2020

Lançamentos




  • REBELDIA

    - Espere aí! Você não está querendo dizer que o que me falta é rebeldia, está? - Estou! - Isso é inacreditável! Tive uma vida regrada. Tudo certinho no lugar. Me formei, fiz mestrado, doutorado, pós-doutorado e trabalho diuturnamente em pesquisas vitais para a humanidade... Não sou estúpido pra jogar tudo isso pro alto! - Estou tentando ajudar a explicar essa sua sensação... Você está aqui agora, em pleno horário de expediente, sentado comigo neste banco público... Por quê? - Já disse antes! Não me sinto bem! - E o médico? - Não é coisa de médico... - Então, voltamos ao início. Vou falar agora com todas as... (leia mais)


    Airo Zamoner

  • Anthologie...

    Obra: „Anthologie de la Poésie Romantique Brésillienne » - Bilingüe (Port. / Fr.) Poemas escolhidos por Izabel Patriota P. Carneiro, apresentados por Didier Lamaison e prefaciados por Alexei Bueno Versão francesa: Adrienne Álvares de Azevedo Macedo, Didier Lamaison e Cécile Tricoire Editoras: UNESCO PUBLISHING / EULINA CARVALHO Formato: 14 x 21cm Páginas: 257 Preço: 27,45 € 2002, ISBN: 92-3-003786-9 Na década consecutiva à da Independência obtida em 1822, chega ao Brasil a revolução das sensibilidades que já soprava sobre a Europa após o início do século. O Romantismo brasileiro aparece com a publicação, em Paris, de “Suspiros Poéticos e Saudades”, de Gonçalves de Magalhães, em 1836. Mas é com Gonçalves Dias que nasce verdadeiramente a grande poesia... (leia mais)


    Tânia Gabrielli-Pohlmann

  • O que e como fazer para escrever bem

    Uma das maiores preocupações que permeiam o âmbito escolar tem sido a produção de texto, em especial o dissertativo, por apresentar dificuldades no seu processo de elaboração e produção. " "Por ser um texto que procede de reflexões sobre determinado assunto, em que a opinião do locutor deve ser explicitada e, principalmente, acatada pelo interlocutor, exige-se maior rigor e complexidade nos mecanismos de produção. Quer dizer, ao comentar sobre determinado assunto tem-se a pretensão de atingir o outro, seja por convencimento ou por persuasão. Assim, torna-se fundamental se servir de uma linguagem elaborada, haja vista que para se obter adesão do interlocutor, o discurso deva... (leia mais)


    Andreia Frederico Coutinho

  • MINHA PRIMEIRA COMUNHÃO

    "Tinha quase nove anos. Fui criada na religião católica. Meus pais eram muito religiosos. " Quando se aproximava o Natal, eles promoviam lá em casa uma novena. Além da família, os vizinhos também participavam. Após a novena, eu me sentava ao piano e tocava várias músicas sacras, inclusive a Ave Maria de Schubert. Todos me aplaudiam, dizendo que eu executava com técnica e sentimento as partituras. " " Quando completei meus nove anos,minha mãe me informou que a Diretora da minha escola, Da. Neide Arruda Leal, desejava que seus alunos da terceira série fizessem a preparação para a primeira Comunhão com as catequistas da Igreja... (leia mais)


    Ivete Flores Catta Preta Ramos

  • MORDAÇAS CULTURAIS?

    “... A língua é minha pátria, e eu não tenho pátria, tenho mátria e quero frátria...” “Língua” Caetano Veloso “Vossa Mercedes aceita uma chávena de chá?” – tradução: “Cê qué um chá?” Pois é... Nossa belíssima Língua Portuguesa está sendo muito maltratada... Mas nos orgulhamos de nossa unicidade lingüística, apesar de nossos quase 8.600.000 Km². Oficialmente não há dialetos no Brasil. E nos orgulhamos disto. De uma mentira oficializada? De um massacre brutal, porém discreto? Que tenhamos apenas uma língua oficial em todo o território brasileiro é de se aceitar e de causar orgulho. Especialmente quando se vê a dificuldade de comunicação entre os habitantes de um país territorialmente tão... (leia mais)


    Tânia Gabrielli-Pohlmann




CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.