Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA






ÁS PORTAS DA PSICODELIA POÉTICA

   

  

Ando comendo água pela vastidão dos bares da mente.

Ando zarpando pelo Atlântico da memória náufraga, dolente e incontinenti!

Ando constantemente prenhe de paisagens

Pululantes e sôfregas por gente.

  

Ah,

Como eu queria

Que soubéssemos

Ser o errático bólide do córrego infrene:

 

Conhecendo o sentido de se estar

Com a planta dos pés na terra;

 

Levados pelo remanso

De se estar plenamente

Ao sabor do ar livre;

 

Dispostos a polenizar a matéria

Do desconhecido que

--- á nossa frente ---

Placidamente fica á espera.

  

Ando sob o efeito

Da alterosa poeira,

Deixada pela energia cinética das ideias

Quais rebentam dos pensamentos quânticos:

 

Olhar além da gravidade,

Cujo códice de leis nos circunscreve e rege;

 

Mergulhar no infinito oceano

De mundos paralelos,

Fervilhando nos átomos

Da nossa pele e osso;

 

Flutuar sobre a onipresente

Neblina da estupradora Tirania,

Juntando-me ás Estrelas

Que formem a Luz da Chama Coletiva

Para derrotarmos a pérfida Realeza da Hipocrisia

E parirmos --- finalmente ---

O Reino da  Pax-Poesia.

   

Ah, que temeridade que digo:

A bem da verdade,

Estou comendo água demais por dias a fio! 

  JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA http://bocamenordapoesia.webnode.com.pt/  ·                                 http://twitter.com/jessebarbosa27     

Tempo de carregamento:0,03