beneditocglima






CHUVA DE JANEIRO

E a chuva melodia líquida
Caindo no telhado
Vira canção
e a minha emoção se transforma em versos
E a tarde de janeiro
Passa feito pássaro ligeiro
Riscando o céu do Pantanal.
E o canto normal do Pardal
É como uma sinfonia
Quebrando a sutileza da goteira
Casa chorando
Diria o Poeta
E a tarde fenecendo é como um desenho sem cor
Apenas o abraço que goteja.
E o Poeta pega a Guitarra  e senta na rede
E mata a sede com Tererê
E o balanço da rede
Sacode a saudade.
Mas um dia que finda.

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.