Elisabeth Silva de Almeida Amorim






DESENCONTRO

Quando tudo parecia organizado, surge ele. Cabelos grisalhos, olhar perdido, carente, extremamente polido. Em cada gesto mostrava um autocontrole que não existia. Queimava o desejo de jogar para o alto as etiquetas, as fivelas e junto todos os cintos atados a seu corpo. Mas... se não tivesse à altura? Se aquele sonho fosse muito alto? Adiou.
Do outro lado do vidro, ela o observava. Sabia de cada detalhe do seu corpo. Acompanhava-o como uma sombra, com o tradicional cafezinho disposta a servi-lo bem mais...  -Sim, senhor! Não, senhor! Mas, aquele vidro...
Eis que chega o dono do imóvel, tira aquele frágil vidro e constrói uma parede de concreto!

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.