Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







Tiago Correia De Jesus






Um tempo, certo tempo.

Certo tempo, um tempo certo eu contei,
Já falava ao amor, que queria paixão
Daquelas que há dias não sentia
Pedir, insistir e até chorei por amor

Em versos, em prosas ou em parágrafos
Queria mesmo um amor, para amar na Bahia ou na África,
Quebrar limites, romper fronteiras,
Mas o ideal seria viver um conto de fadas,

Foram tantas lágrimas, tantos pedidos,
Múltiplos outonos, tantos dias, alguns berros,
E um lado vazio no peito, neste meu peito...
Então, o amor veio e então foi o fim do caminho,

As lágrimas de vontade converteram-se em desejo,
Os outonos tornaram-se invernos, que traz lágrimas do céu,
Todos os dias, todas as noites, sempre...
Pedras, pau e mais pedras, ruínas antigas caindo assim tornou-se o meu coração,

A dor, imensa dor que se alojou dentro de mim,
Gigantesca vontade, e o silêncio dessa sua voz,
Acabou, destruiu, afogou e me matou,
O nunca só se estende cada vez, e o jamais se solidificou mais e mais...

Agora desvio a rota e peço choro, e grito ao anjo mau,
Devolva a minha paz, restaure meus dias, e assassine a minha paixão de vez,
Além do mais o jamais está presente, sempre, sempre...
Dias de imensa dor no peito do poeta se estende e mata a alma amante.

Tempo de carregamento:0,10