Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







Erwelley C.de Andrade






"PAI"

 
PAI
 
Não sei o que te assusta,
Ou o que te impede de me ver.
Às vezes quando estou sozinha no meu quarto,
Lembro-me do teu rosto e choro,
Porque nunca te vi sorrir.
Pai, seus olhos são tão bonitos,
Seus cabelos lisos e macios.
Como eu gostaria de acariciá-los,
Mais não posso, porque sequer olhas pra mim.
Não tenho lembranças de contigo brincar,
Tu nunca me viste chorar.
Pai, o que fiz pra que tenhas medo de se aproximar?
Nas reuniões da escola, gostaria que estivesses lá,
Pra veres o quanto sou estudiosa,
Mais sua assinatura nunca esteve na minha folha de chamada.
Pai, quando me olho no espelho,
Vejo tanto de ti em mim, como seria bom,
Nós dois juntos encontrando, a aparência do nosso ser.
Estou crescendo tão depressa e,
Nem sei direito oque é ter um pai.
Nos vemos tão pouco,
E quando estamos lado a lado,
Fico contente por esperar ansiosa por um beijo teu.
Um afago em meus cabelos, uma palavra de carinho.
Pai me ame enquanto há tempo,
Preciso de ti por perto.
No dia do meu aniversário,
Fico horas ao lado do telefone esperando sua chamada,
Mas, quando acordo, já é tarde e outra vez,
O senhor esqueceu que estou me tornando gente grande.
Já sonhei tantas vezes contigo, pertinho de mim,
Correndo na rua, me ensinando a cantar.
Pai, não peco a esperança, de um dia te ver,
Amando-me do jeito que eu sempre sonhei.
A vida é tão curta, passa depressa,
Não deixe passar, o amor que eu tenho,
A te oferecer, tá dentro do peito,
Querendo saltar.
Prometo orar todas as noites,
Pro nosso Senhor, te dar cada dia,
O amor e a paz, que almejo pra ti,
Saúde e alegria, e sempre sorrir...

Tempo de carregamento:0,06