Paulo Ramos do Nascimento






Meu lamento

                        

Toda comunidade é publica, mas nem todas as pessoas que fazem parte dela se revelam uns por não ter nada a apresentar, se tem, acha que não têm, outros por vergonha ou por motivo até banal vive camuflado, alguns por medo outros por omissão, e tem aquele que de tanto lutar já se cansou por não ver um resultado positivo e já está conformado no ditado popular bem conhecido, enquanto mais rezo mais sombração aparece.

Tem aqueles que por revolta e até por orgulho acaba virando a costa para sociedade por causa das pedras de tropeço que só dá trabalho.

Mas ninguém consegue viver camuflado a vida toda e ao longo da jornada as pessoas vão se revelando e com isso pode vir o sucesso ou fracasso.

Ao longo do tempo cada um vai mostrando sua cara e o povo vai se revelando aos pouco uns as suas riquezas outros a pobreza, enquanto muitas autoridades vão revelando seus lados obscuros e gananciosos.

E assim os qualificados vão diminuindo e os inúteis e corruptos aumentam, insistem se sentindo no direito de decidir até o quanto quer ganhar, e suas falcatruas só será revelada através de denuncia de instituição externa como jornal, radio e televisão, mas enquanto o segredo não é revelado os estragos são grandes e quase irreparáveis, e o mais difícil é achar alguém que possa fazer justiça para mudar esse lado negro afinal o que mais tem é telhado de vidro e se alguém tentar apertar o parafuso logo à rosca se espana e o feitiço pode virar contra o feiticeiro e para não aumentar o problema tudo acaba terminando em pizza.

Enquanto a comunidade se pinta de palhaço os poderosos em suas poltronas confortáveis dão gasalhada dando continuidade no esquema, com isso o povo esta gemendo pagando por coisa que não tem como, segurança saúde e educação.

É tempo de revisão o problema é que não temos peças para repor, pois a contaminação é enorme, talvez até tenhamos por um tempo, mas pode ter certeza muito breve também vai espana, ou seja, não vai dar aperto.

O povo quer mudança, mas será que temos pessoas responsáveis preparada para reposição, conhecemos quem está no poder, mas não conhecemos os que sobram, e nem a oposição, afinal criticar e crescer na falha do outro não é difícil, todos dizem saber planejar o futuro, mas quando chegar o presente, ou seja, a ocasião acaba falhando e com isso o povo continua se pintando de palhaço.

Eu nunca me pintei de palhaço e nunca vou me pintar, pois para ser palhaço não precisa isso, todo povão que é vitima do esquema marginalizado estão sendo palhaço com ou sem pintura.

Não quero ser radical, mas o momento me faz refletir e lamentar aqueles momentos que deixei minha casa e me dirigi ao colégio e naquela urna moderna depositei em alguém meu voto de confiança, e hoje não tenho acesso aos segredos misteriosos que se renovam para destruir as estruturas da comunidade e com isso passo me sentir culpado e responsabilizado para ajudar a mudar, mas como mudar?

Quando alguém esta no puder é porque a maioria colocou, mesmo nesse momento desastroso ainda acho que é melhor criar uma convivência pacifica e engoli tudo sem mastigar, o estomago que se vire sozinho, para eu não perder mais tempo, talvez vão me chamar de omisso, mas é melhor que corrupto.

Confrontar nunca é bom, fingir que não esta vendo também não é o melhor caminho, bom é viver em solidariedade quem sabe eles um dia podem descobrir o que é solidariedade, compromisso, reorganizar não é difícil, mas todos precisam querer, mas isso pode não ser lucro para os gananciosos.

Para encerrar este lamento quero lembrar que a pratica da traição já vem a milhares de anos a história tem mostrado.

Jacó traiu seu irmão, José foi traído pelos seus próprios irmãos, o rei Davi traiu seu soldado de confiança, Jesus foi traído por Judas Escariote.

Veja que os traidores estão bem próximos de nós.

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.