Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







Arlete Meggiolaro






Distância

Distância...

 

Minh’alma céu nublado,

as estrelas se escondem para o choro copioso.

O intimo encharcado se lança no alagado

na tentativa de se livrar da dor do amor,

por ora, lancetado

pela lança envenenada da distância.

Evolui a ânsia  de te ter.

 

No imo Thor açoita!

Estremece o corpo com o estrondo do trovão.

O som, com a vibração,

trinca o cerne tão igual ao cristal.

O tom rouco e sufocado

desprende da garganta do destino.

 

Dor, dor!...

O tino se perde oprimido,

choro compulsivo.

Tenho para ti o universo repleto de amor,

mas a distância malquista, intrometida,

passa carvão na cara e se diz sina!...

 

Não, não maluca desvairada,

doida mal amada,

Eros, com o poder do Amor,

 vencerá e a esmagará,

seus destroços serão lançados no fogaréu.

 

Resplandecerá o céu!

Em nós o  cintilar das estrelas

brincando no magistral

carrossel celestial.

 

No apogeu o

Amor Inteiro

do desjejum ao desjejum!

 

O  Elo

do

Amor,

dará a

Nossa vida

a Eterna beleza da

Aurora!...

 

© Arlete Meggiolaro

 

(livro editado pela Editora Protexto - ORVALHO D'ALMA)

( poema formatado em www.orvalhodaalma.como.br)

 

 


Tempo de carregamento:0,04