Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







Robespierre Simões






Letras do CD "...e viva São Jorge!"

Ogum Beira-Mar

(Letra e Música de Pierre Simões)ISRC BRR200500040

 

Seu Ogum Beira-Mar

General-de-sete-estrelasDas praias e das águasDas guerras e batalhasDos caminhos do infinitoSeu Ogum Beira-MarGuerreiro da liberdadeTraz a sua companhiaSua esperança e luz divinaCom as bênçãos de OxaláCom seu Idá de ferroCombate o inimigoObé traz à cinturaE também seu akorôBradou prá Tira-tôco-Atacar toda demanda!E a vitória não tardou, Êh!Ninguém segura Orinê! Êh!Ninguém segura Orinê! Êh!Ninguém segura Orinê! Êh!Ogum-IêOgum-IáSua luta se estendePrá lá de Humaitá

Ogum-Iê

Ogum-Iá É o seu brado de guerreiroÉ a luz de Oxalá!É a luz de Oxalá!  

Ogum Delê

(Letra e Música de Pierre Simões)ISRC BRR200500042

 

O terreiro está em festa

Vai chegar um convidadoVem em seu cavalo brancoTraz a paz de OxaláEle é São Jorge guerreiro!Dos ciganos, protetorEle é Ogum DelêE traz a fé do SalvadorBem aventurados os justos, E os que não temem os ímpios! Não são como a palha finaQue o vento dispersa!Bem aventurados os certos, Não caminham entre pecadores!Não são como os perversos...A ternura de Ogum afastaOgum-Delê

Ogum-Delê-Iê

Bem aventuradosOs que têm Jesus no coraçãoOgum-Delê

Ogum-Delê-Iê

Bem aventuradoOs que tem Ogum em sua devoção.  

Ogum de Malê

(Letra e Música de Pierre Simões)

ISRC BR-R20-05-00047

 Toda noite em chego em casaDepois de muito trabalhoMinha prenda me recebeCom as mãos cheirando a alhoEla já tá preparandoChurrasco à moda da casaPicanha, pernil, costelaDo frango, gosto da asaMais tarde a gente se sentaPra mode “nóis” prosearA cuia de chimarrãoAqui nunca vai faltarSe vê da nossa varandaA estrela d´alva dos pampasOgum é que vem chegandoPra levar nossa demandaQuando chega o mês de abrilNa data de vinte e trêsVamos homenagearSão Jorge mais uma vezCasa de gaúcho é fartaAssim manda a tradiçãoNão vai faltar feijoadaNem mesmo prum batalhãoDe noite a gente reúneTambores frente ao fogoConcertinas vão tocandoCantigas do nosso povoOgum, olha a nossa terra,Aqui, a alegria mora!Da planície até na serraDeus sabe a sua obra! 

 

Ogum Matinata

(Letra e Música de Pierre Simões)ISRC BRR200500043 Na hora da colheitaEu agradeço a Ogum Eu faço uma preceTambém prá Olorum Pelos calos nas mãos,E o suor em meu rosto,E as marcas em meu corpo,Confirmam em nossa mesaO pão mais que sagradoO vinho consagradoDa terra em planteiA minha fé no salvadorObrigado, Ogum!Seu Ogum MatinataPor saciar a minha fome,Minha sede e as minhas doresEu canto a Vós! Meu Pai!A sua paz e a sua glóriaMe faça mais humano,Tira as teimas da vidaQue eu seja mais correto, Que eu seja mais sincero,Que eu possa saravar à Vossa glória!Ogum-Iê

Ogum-Megê

(Letra e Música de Pierre Simões)ISRC BRR200500041 Vou preparar prá Ogum-Megê...Um badofe gostoso, cê vai ver... Que nem na Bahia, não vaiComo o meu, não vai ser, você vai ver...Vou passar a receita Ocê vai fazerSeu Ogum-MegêVai, com gosto, comerEu pego a carne Da cabeça de um boi,Afervento com alho e sal,Até ficar cheiroso.Depois com azeiteAzeite-de-dendê, Eu refogo, eu refogoCom gengibre e camarão moidinho... Só de pensar, tá ficando gostoso!Prá Ogum-Megê, tá ficando gostoso!Depois de cozer um pouquinho, um pouquinho,Eu ponho um tiquinho de língua-de-vaca,Escaldada e bem escorrida, E depois você bota ilá em rodelasCozinhar, cozinhar, cozinharVocê deixa o prato cozinharQuando chegar no pontoJá dá prá servir Você pode juntar com arroz-de-hauçáSó de pensar, já ficou mais gostoso!Prá Seu Ogum-Megê achou delicioso!Oi limpa tudo tava muito gostoso!Prá Seu Ogum-Megê achou bem saboroso!    

                           OGUM MINAS GERAIS

(Letra e Música de Pierre Simões)

ISRC BRR200500048

 No fim de ano, mais bem perto do natal

Vou visitar a parentada lá de casa

Eu vou pra Minas,

das montanhas, das gerais

Aonde mora, com saudade, Com ternura, o coraçãoPro centro-oeste, prá terra dos meus encantosOnde há rosas todo lado E flores prá todo cantoPego a mala, a viola e a minha guia Jorge guerreiro cavaleiro quem me deuEu peço a bênção e a luz de meu Pai OxaláA boa sorte na estradaE a firmeza pra rodarVou bem cedinho,de Brasília, eu vou seguindoPrá terra de Divinópolis,Tardezinha vou chegar  

Ogum, Ogum

Ogum-Iê

Aqui te chamo de

Ogum Minas GeraisQuando eu passo a divisa de GoiásMe enche os olhos a mata de Pai OxossiVejo fartura nessa terra abençoadaVerdes campos infinitos Cheios de grande esplendorVejo riachos que descem lá das montanhasOnde reinam soberanas As pedreiras de Xangô Mamãe Oxum me acena lá do velho ChicoMamãe Iansã já faz chover prá refrescarOs pretos-velhos pitam na beira da estradaSinto alegria dobrada Ao ver crianças a brincar Eu me admiro como tudo aqui é lindo Mas agora eu me atino, aqui é Minas Gerais Ogum, OgumOgum-IêAqui te chamo deOgum Minas Gerais Quando eu chego na cidade onde nasciEu vou direto para a casa do meu paiEle já vem me receber no seu portãoBraços abertos e abraços, Boas-vindas ao seu larJá sinto o cheiro do pão de queijo no fornoUm panelão de arroz-doceE de pamonha do sertãoA Oxalá e a todos os meus OrixásEm especial, ao meu querido Pai OgumEu agradeço, com muita sinceridadePor minha felicidade e muita paz no coraçãoEu agradeço também à mãe naturezaPor ter feito, benfazeja, As terras de Minas Gerais  

Ogum Rompe-Mato

(Letra e Música de Pierre Simões)ISRC BRR200500044 De manhãzinha...Quando o meu galo cantar...Vou procurar a jurubeba,Lá na mata da jurema. Vou fazer um licorzinhoBem gostoso, bem docinho,Vou juntar cravos vermelhosE ofertar a meu Pai Ogum.  Ogum, Ogum, Ogum Rompe-Mato!Vem das bandas de aruanda em seu cavaloVem buscar sua oferenda,Com amor eu cuidei.Vem quebrar todos malesVem trazer nosso bemÉ dourado o seu elmoComo a flor do girassolDe veludo é a sua capa,Pintei de rubi como pedra coralVem beber, Senhor OgumVem fumar, meu pai OgumQuebre todas as demandasDo meu, seu, nosso ajogumVem comer Senhor OgumVem fumar, meu pai OgumQuebre todas as demandasDo meu, seu, nosso ajogum De tardezinha...Quando o meu galo cantar...Vou preparar a feijoadaCom temperos da juremaVou pegar na geladeiraUma cerveja bem geladaE um charuto de primeiraVou ofertar ao meu Pai Ogum  

Ogum de Ronda

(Letra e Música de Pierre Simões)ISRC BRR200500046

 

De madrugada, bem cedinho, bem cedinho,

Pai Ogum vem fazer a sua rondaQuem mandou foi o meu Pai OxaláQue bem de perto está cuidandoComo tudo o que Deus querSeu companheiro é o arcanjo SamaelFoi enviado por Deus Pai Nosso SenhorTodos os dias vem de lá de AruandaBrilha como a espada de sua fé No Salvador Rodeia, rodeiaOgum de ronda, rodeiaNa cheia dos rios e cascatasNoite e meiaRodeia,Que Jesus vai servir a sua ceiaOgum vem cumprir a missãoDe rondar os seus filhosPaz e salvação 

 

 

Xote do Macumbeiro(Letra e Música de Pierre Simões) ISRC BRR200500049 Um dia eu estava andando no ParanoáEu fui comprar um galo novo e um alguidarO vendedor me perguntou se eu queriaO penoso prá abater, negociar, ou prá criarQue eu podia escolher no galinheiroO mais bonito que eu quisesseQue ele já ia pegarEu respondi que procurava prá OgumUm galo forte bem vermelho e bom cantorUma oferenda eu quero lhe oferecerCom um bom charuto que eu mandei Vir lá da terra de FidelUma cerveja e muita batata doceMuitos cravos bem bonitosPrá entregar ao sol se pôrMas de repente o olho dele arregalou Ficou nervoso, com saliva engasgouEu perguntei se ele tava se sentindoMuito mal, muito cansadoSe era aquilo que a gente não comenta, Me olhou, fungando as venta,De cara feia falou:

Escute aqui, ô do capeta, adorador!

Pois eu não mexo com essas coisas, Não senhor!Eu creio em Deus, Em Jesus Cristo, SalvadorDa minha Igreja eu não me afastoNão vendo prá pecadorPois vade retro, Satanás, Com seu dinheiro!Se mande logo rasteiro!Macumbeiro me chamou!Ô, Macumbeiro,Macumbeiro!Sei que eu sou macumbeiroPra ninguém não nego, não!Ô Macumbeiro,Macumbeiro!Nunca me deixa na mão.  

Ogum Yara

(Letra e Música de Pierre Simões)ISRC BRR200500045 Ah! O mar é lindo, o mar é lindo...!Ah! É lindo é lindo, é lindo...!De longe eu vejo as sereiasNadando entre as ondas azuis e ligeiras Faz lembrar as histórias que ouvi,Bem menino eu era, brincava na areia...

Me contaram de um tal cavaleiro

Que aparecia lá no sol nascente,Era belo, garboso e matreiro,E ainda acenava e sorria prá gente.Ê Ogum-Yara!Ê Ogum-Iê!De repente, no meio das águas,Surgiu entre as pedras Seu Ogum-Yara!Ê Ogum-YaraÊ Ogum-IêVem na frente o seu capitão,Vem trancar a demanda,Girar nossa gira!Ogum-Yara é forte refúgio A Vós eu elevo meu corpo e minh´almaSinto nele a esperança benvindaDe ser bem feliz neste mundo de DeusOgum-Yara é o rei da glóriaA Vós eu dedico todo meu trabalhoPara ser a alegria de quemPrecisar de amor, de afeto e ternura !

Tempo de carregamento:0,04