Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







Jardim






Em minha boca calada


em minha boca calada guardo palavras mortas e assisto um mundo que silencia turvo e triste, nada mais o que dizer diante desta imobilidade. há uma remota sensação de estar vivo apesar das evidências. só tu permaneces, ainda que ausente. atravessas as horas como se o tempo fosse para ti um brinquedo, como se fôssemos eternos, como se fosse possível esperar o teu retorno e que novamente caminhássemos juntos. estranha liberdade que me torna insensível ao azul do céu, que esconde meus alicerces ruídos, minha casa incendiada, minha rota abortada. um pouco mais e se terá ido o teu olhar, mais um pouco e também a tua pele. em seguida o vento levará o teu cheiro, assim como já levou minhas ambições. escrever é lembrar quem fomos, é aceitar quem jamais seremos.


Assista o vídeo:
www.youtube.com/watch?v=9vPKX5VbFSM


Poema do livro Crônicas do Amor Impossível
Autor: Jardim.

A venda em:

Impresso
Livraria Prefácio
rua Voluntários da Pátria , 39- Botafogo - RJ

Digital

http://sergioprof.wordpress.com/



contato:
jardim.net@gmail.com
www.facebook.com/sergio.almeida.jardim
twitter.com/SERGI0_ALMEIDA

Tempo de carregamento:0,04