Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







Amarilia Teixeira Couto






Tuas mãos (lembrando Neruda)

Tuas mãos (lembrando Neruda)

(...)e quando colocaste
tuas mãos em meu peito,
reconheci essas asas
de paloma dourada,
reconheci essa argila
e a cor suave do trigo

(...)

A minha vida toda
eu andei procurando-as.
Subi muitas escadas,
cruzei os recifes,
os trens me transportaram,

(...)
(até que as tuas mãos
envolveram meu peito
e ali como duas asas
repousaram da viagem.
( Pablo Neruda )



Tuas mãos

Tuas mãos têm
Um quê de magia
Que me despertam
Na alma a mais linda poesia
Que me transportam à beleza
E à lascívia
dos versos de Neruda

De onde vêm tuas mãos?
De diferentes galáxias
De estrelas cadentes
Viajantes e desejosas
De um pouso na Terra
Percorreram o Cosmos
À procura de um pouso certo
Se aventuraram em muitas superfícies
E planuras
Para contar nas carícias
Que me fazes
Tuas aventuras amorosas
Ah, tuas mãos não são virgens
São atrevidas o suficiente
Na evidência do desejo
São sôfregas quando iniciam
O passeio que tanto almejo
E se tornam ternas
E de uma ternura franciscana
Virando quase uma cantiga de ninar
Ou um rorejar de cachoeira
Entranhada nos grotões de minas
Escondida do olhar estrangeiro

E quando tuas mãos entrelaçam as minhas
Ai, que enlevo! Que deleite!
E se resvalam logo em seguida
Por todo o meu corpo
Todo o meu desamparo se esvai
Toda a saudade curtida no silêncio
Vira ais de puro contentamento

Tuas mãos viajantes
Me contaram um segredo:
Já não querem mais o cosmo inteiro
Querem agora ficar por aqui
Neste ninho de amor
Que preparei pra nós dois
Tuas mãos não buscam mais
Tantas perscrutações
Me disseram que as nossas geografias
São a sua urgência maior

As minhas
Um pouco mais acanhadas que as tuas
Mas não menos envolventes
Já estão contentes à espera das tuas.



Tempo de carregamento:0,04