Arlete Meggiolaro






Sua intenção, meu intento

Tal qual vapor condensado
eu precipito em gotas minhas fantasias
sobre seu corpo
quente, suado.
Escorro pelas vielas do seu traçado,
misturo-me aos seus lagos com afagos.
Eu gota em suas gotas
nossas partículas,
misturam-se em particular submissão.

Sua intenção primeira
de me adoidar
tenta meu intento
do querer lhe saciar.
E, neste momento
descortino minha imagem,
e me vejo
deslizar pela vidraça do seu olhar,
desço no bosquejo dos seus lábios,
e grudo com o beijo.

Sua intenção e meu intento
deslizam na vertente do desejo.
Misturamos-nos nos largos lagos de afagos.
Deslizamos na perspectiva das nossas curvas.
Nós em nós
deslizamos, deslizamos, deslizamos...

A sensação de ser
a gota que instiga sua intenção primeira
faz parte deste devaneio dourado.

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.