Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







glenio cabral lourenço da silva






Assunto da aula de hoje: Pleonasmo


Pleonasmo: figura de linguagem que denota redundância, emprego desnecessário de um termo.

Exemplos: “Ela cantou uma canção linda!”, “Vi com meus próprios olhos.”, etc. Ora, quem vê,  vê  com os olhos, e não com a perna...e quem canta só pode cantar uma canção, concorda?  

Mas nem todo mundo pensa assim. O “pleonástico”, indivíduo que incorpora esta figura de linguagem, é mestre em reafirmar o óbvio.

Ele fala o que todos já sabem como se fosse uma grande novidade. Por isso ele é tão redundante quanto a figura de linguagem que representa.   

Tenho visto muitos palestrantes motivacionais com esse perfil.

Pessoas que recebem uma fortuna pra reafirmar o óbvio durante uma, duas horas de palestra. Uma chatice só.

Aí o jeito é incrementar com um vídeo aqui, uma piadinha ali, uma dancinha acolá...e assim o pleonástico vai tratando do óbvio como se fosse uma grande novidade.
 
Agir dessa forma é o mesmo que “ cantar com a boca”. Ou “ver com os próprios olhos.” Ou “ caminhar com as próprias pernas.”

É achar que se pode causar uma boa impressão com muito pouco, com o que todo mundo já está careca de saber.
 
A verdade é que não há nada pior do que tratar o óbvio como uma das sete maravilhas do mundo.

É melhor permanecer calado. Aliás, nunca ouvi dizer que o silêncio fez de alguém um redundante.

* Visite o www.cafecristao.com

Tempo de carregamento:0,10