Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







Jorge Rodrigues






Curiosidade sobre o filme KARATE KID com Jhackie Chan

Eu assisti esse filme pela primeira vez dia 6 ou 7 de junho 2011 [coinscidentemente a data de 8 de junho é citada no filme] depois de eu ter escrito a parábola do ''Tudo e do nada'' que eu fiz inspirado ao ouvir a música ''Dust in the wind'' na voz da cantora Paula Fernandes.

No filme Karate Kid com Jhackie Chan há uma cena em que o mestre Sr. Han leva o garoto Dre a um monestarério Shaolin, eles sobem as longas escadas da montanha e o garoto Dre pede água. Chegando ao topo do monte, o garoto Dre se admira ao ver uma mulher se equilibrando sobre uma rocha, com uma perna só, tendo abaixo um enorme precipício e a sua frente uma desafiadora e imprevisível cobra naja.
Ao entrarem numa das salas do templo o mestre Sr. Han lhe apresenta uma mesa de pedra com uma fonte de água jorrando por dentro dela, e o Sr. Han lhe diz: ''Essa é a água mágica do Kung Fu, se você beber dela, nada pode te derrotar'', então o garoto Dre bebe com sede da água, simbolizando, a força do propósito, a procura pela resposta, e o esforço da tragetória de escalada da montanha em busca do conhecimento do Kung Fu, daí o mestre Sr. Han dizer ''Se você beber, nada poderá te derrotar''. Como disse Airton Senna certa vez nestes termos: ''Se você tem um propósito, não importa quem você é, nem o que você tem, se esforçe pelo seu sonho, tenha fé em Deus que de algum jeito você chegará lá''. Também Bruce Lee certa vez disse: ''A vitoria não é do mais forte, mas daquele que acredita nela''.
Então em seguida vemos o Sr Han, antes de levá-lo a outro lugar, sendo interrompido e interrogado pelo garoto Dre a respeito de como a mulher seguia os movimentos da cobra naja, mas o Sr. Han corrigindo ao garoto Dre lhe diz: ''A mulher não estava seguindo os movimentos da cobra, mas a cobra seguia os movimentos dela''.  Então vendo a confusão no coração do garoto Dre, o Sr. Han, apontando para a mesa de pedra com a água parada, diz: ''Olhe na água parada...O que voce ve?''. Então Dre responde, ''Meu próprio reflexo''. Então o Sr. Han distorcendo sua imagem na água diz: ''O que vê agora?''. Ele responde ''Vejo meu reflexo distorcido''. Então o Sr. Han explica pra ele que para que a mulher conseguisse a atenção da cobra ela precisava estar completamente calma no coração e na mente, de outro modo ela não conseguiria distrair a cobra naja.
Dre mostrando-se confuso diz: ''Mas como ela conseguiu distrair a cobra sem se mover?''. Mas o Sr.Han responde: ''Não fazer nada e ficar parado, são duas coisas totalmente diferentes''.
Vamos entender...
A mulher está sobre um imenso precipício. Ela está equilibrada sobre uma única perna, num único espaço para o seu pé, ela varia os movimentos corpo, dos braços, e das pernas em varias posições como o Kung Fu permite, mantendo-se ainda completamente imóvel. Um único erro relativo à ela mesma e seu corpo a faria cair do alto precipício, mas para aumentar a dificuldade do desafio ela tem diante de si uma desafiadora e imprevisível cobra naja, que simbliza um adversário que neste desafio não pode ser provocado, mas pelo contrario, deve ser encarado e dominado pelo comportamento pacífico.
Ela não pode desconcetrar-se de si mesma (MENTE CALMA), e não pode abalar-se como os perigos envolvidos diante dela: O precipício e a Cobra (CORAÇÃO CALMO).
Como já disse o mestre Léo Immamura a um de seus alunos confusos: ''Porque o seu corpo permanece parado? Porque o seu corpo agora mesmo está se mechendo! Parou pra pensar?''. E como já disse o autor de um antigo livro de Karate: ''Quando você está parado, em guarda, seu espirito precisa estar ativo, quando você se move, em guarda, seu espírito deve estar tranquilo''.
O mestre Sr. Han sabiamente disse que ela não estava sem fazer nada, ela estava somente parada, administrando um situação de extremo conflito interno MENTAL e EMOCIONAL como muitas vezes passamos crises e conflitos terríveis no interior do coração e da mente quando por fora somos como uma água parada.

Esses texto é de autoria exclusíva de Jorge Rodrigues, e decorre de suas experiencias com Deus, em 10 anos sem livros e sem mestres, pelo dom que Deus lhe deu excetuando o mencionado sobre os autores.

Tempo de carregamento:0,04