Marlene Santos






A LANTERNA E A ESCURIDÃO.

A Lanterna sempre que era solicitada
Iluminava a Escuridão.
Mas, já andava meio na bronca
Porque a Escuridão não lhe pagava
E nem lhe agradecia.
Enquanto os visitantes da Escuridão
Ficavam felizes
A Lanterna ficava em qualquer lugar
Esquecida só mandando feixe de luz azuis.
Quando alguém precisava dela para clarear
Trocava-a de lugar.
E ela sempre ligada, iluminada!
Um dia a Lanterna ficou piscando de raiva.
Ela até que gostava de fazer o bem
Mas, vivia com as pilhas fracas
E tinha que fazer um grande esforço para não apagar
Então, resolveu protestar.
Enquanto não trocassem as suas pilhas
Ela resolveu não mais iluminar
E ficou piscando, piscando até apagar.

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.