altair almeida






Estrela tardia

 Não sou o budista que prezo e espero
mas tenho os sentimentos mais sinceros
Não sou todas as dores que carrego
nem o cruzado justiceiro que venero.
Não faço poemas que arrebatam corações
só libero os gritos de meus pulmões
Não sofrí todas as dores do mundo
mas guardo comigo todas as dores bem no fundo
Não estou sózinho nesse mundo
mas estou sózinho lá no fundo
esse é o verbo que conjugo
esse é o meu verso inconcluso
e é assim desde os meus primeiros dias
e é assim que segue minha dinastia
e é assim o destino de minha cavalaria
de um homem só, de um cavaleiro só
de um guerreiro só, de um habitante só
minha estrela tardia, que não mais me guia
apenas brilha no caminho de minha poesia. 

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.