Izabel da Rosa Correa






Domingo


A chuva de ontem brinca de balanço
num galho, num fio, num canto.

Minha alma, pássaro sem bando,
ocupa a rua, ganha o espaço.

A garoa acarinha a pele,
ensopa o pensamento.

Respiro o vazio, acalmo o passo,
acordo sombra e cansaço.

A solidão é licor doce e denso
embriago-me em silêncio.

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.