GERALDO DE CASTRO PEREIRA






O PAVÃO A JUNO

Um pavão se queixou , aborrecido,
Toda a vez que tentava um trinado.
Pois, muitas aves dele escarneciam,
Dizendo ser melhor ficar calado.
 
O pavão foi até  à deusa Juno
Pedir-lhe uma voz maravilhosa..
Mas, a deusa, usando o seu saber,
Foi falando, tranqüila e majestosa:
 
“Tens as penas mais belas que eu já vi,
Formosura tu tens, ó filho amado!
Uma cauda de plumas bem pintadas,
E um pomposo pescoço bem talhado.
 
E o pavão, mesmo assim inconformado,
Reclamou:: de que adianta ser galante?
Pois muda é a beleza! O que eu queria
É ter mesmo uma voz linda e possante.
 
Juno, com muita paciência , disse:
“Foram distribuídos entre vós
Os dons pra cada  um: a violência à águia
E para o rouxinol a bela voz;
 
Para ti os encantos da beleza,
Para a gralha os presságios assombrados.
O agouro para o corvo tão sinistro.
Menos tu, estão todos conformados”
 
O conselho tirado desta fábula.
Nós devemos usá-lo sem receios:
“ Se pra nós muitos dons nos foram dados,
Para que cobiçarmos bens alheios?”
 
 
 
 
 
 
 
 

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.