GERALDO DE CASTRO PEREIRA






LENÇO DA SAUDADE

             Sombras do passado,
             espreguiçando-se lentamente,
             Vem se aquecerem
             No chama do fogo da vida,
             Prestes a se apagar para sempre.      
           
             E na esquina da saudade
             Um lenço branco drapeja
             Ao zéfiro brando
             Num derradeiro aceno para mim.
            
            É o lenço da saudade
            De minha juventude
            Despedindo-se de mim!.
            E eu lhe respondo, tristemente:
            ADEUS, ADEUS, ADEUS!.
 
 

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.