JORGE ANDERSON SILVA






ABRIGO

Sempre o sol Irá brilhar
Sempre vem a chuva
Diversificar.

Para florir, alegrar

Como a lua que clareia
Como a perna que bambeia
Sempre que te ver passar.

Sempre uma melodia

Há de entoar
Os versos de um de um poeta
Pra gente sonhar.

Sem você, como inspirar

Se es a luz que me clareia
Sangue que corre na veia
Poesia em meu olhar

Eu quero te ver sorrindo

Eu quero te ouvir cantar
Eu quero ser teu abrigo
Eu quero em você me abrigar.

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.