Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







IVETE FLORES CATTA PRETA RAMOS






MEU PAI: UM VENCEDOR

 
         Com o findar das chuvas do mês de março, em 1920, desabrochara um botão para a vida, numa pacata cidade do interior das Minas Gerais, denominada Teófilo Otoni. Esse botão foi entreaberto em casa mesmo na forma de uma linda criança, de cor parda, sendo seus genitores José Ferreira Ramos e Maria da Conceição Catta Preta. Sua mãe teve que agüentar a fome insaciável do menino, que, aos berros, a toda hora queria ser amamentado.
         Quando aconteceu seu batismo, com honra e pompa, recebeu o nome de Acyr Catta Preta Ramos. Teve como padrinhos o senhor Scofield, um homem de muitas posses, de ascendência alemã, grande amigo da família.
         A casa onde Acyr nasceu era grande, de estilo colonial, com piso de assoalho, banheiro, vários dormitórios, e um enorme quintal, que ia de uma rua à outra, onde era cultivado um lindo roseiral, com árvores frutíferas e ervas medicinais. Nos fundos havia várias casas alugadas. À frente, funcionava a farmácia,  com entrada independente e pertencia a seu  avô materno, José Eustáquio  de Oliveira Catta Preta Ramos, farmacêutico bastante conhecido por todos, formado pela faculdade Federal de Ouro Preto.
        Acyr fora alfabetizado aos sete anos no grupo escolar na própria cidade de Teófilo Otoni. Aos quinze anos, saiu de casa e foi morar na cidade de Ladainha (Vale do Mucuri), próximo a Teófilo Otoni., em companhia de sua tia Enedina, irmã mais velha de sua mãe.    
      Apesar dos empurrões e apoio que recebeu de seus pais, a vida nada fácil foi para Acyr. Quando o rapaz (já contava com dezoito anos de idade), seu pai lhe dera algumas reses de gado para que ele cuidasse e fizesse produzir.  Isto até nos faz lembrar a parábola dos talentos, contada no Evangelho, em que um senhor distribuiu para cada empregado certa quantidade de dinheiro para que cada um posteriormente lhe prestasse conta. No caso de Acyr, ele multiplicou as reses, com seu esforço e trabalho, merecendo encômios entusiastas do seu genitor.
         Mais tarde, fez ele sociedade com seu cunhado, Clarismundo, para comercialização de aguardente. O cunhado possuía uma grande fazenda, onde ali plantaram cana de açúcar e construíram um alambique para aumentar a venda da boa cachaça. Mas, como toda a sociedade constitui um risco, o negócio não deu certo.
          Então, Acyr, sozinho, partiu para outro tipo de empreendimento: exploração de minério de pedras preciosas e semipreciosas. Aí teve bom êxito.
          Embora já com idade madura, ainda continuava solteiro, pois queria fazer seu pé-de-meia para somente depois então constituir uma família.
          Era muito inteligente, mas não muito dedicado aos estudos: isto ele deixou para.  seus irmãos. Sua vocação, na verdade, era para o campo dos negócios.
          Numa das viagens a negócio, Acyr conheceu uma moça de nome Ivanilde, por sinal muito bonita, cabelos negros, com apenas dezessete anos de idade. Ivanilde era estudante do Colégio São Francisco, estabelecimento de ensino tradicional de Teófilo Otoni, dirigido pelas freiras franciscanas. De tão embevecido ficara pelos dotes físicos e intelectuais da donzela, que foi logo procurar o pai dela e lhe pediu permissão para o início de um namoro, que durara apenas um mês, pois escreveu uma carta ao pai dela, solicitando a mão da filha em casamento, carta essa que guardou por toda sua vida.  
          Como presente, deu à noiva um lindo relógio de ouro cravejado de rubis. Noivaram e casaram-se, decorridos apenas três meses.
          O casamento religioso foi realizado na Igreja São Judas Tadeu em Belo Horizonte, em face da devoção de Acyr e sua mãe ao padroeiro da Igreja – São Judas Tadeu.   
          Passaram parte da lua de mel em Petrópolis, Estado do Rio, onde ficaram hospedados no hotel Quitandinha, indo, em seguida, para Araxá-Minas, no Grande Hotel, consumindo trinta dias, ao todo, nestas viagens.
         Após um ano de casado, Acyr recebeu um dos maiores presentes de Deus: a alegria do nascimento do primeiro filho, garoto com quase três quilos e tão guloso quanto era o pai. Acyr Tadeu foi seu nome de batismo, tendo como padrinho o senhor José Graça. e, como madrinha, a senhora Dora Graça Soares.       
         Dona Ivanilde era sempre auxiliada pelo marido, que ajudava na troca quase contínua das fraldinhas do nenê mijão.
        Naquela época, Acyr pai fez uma sociedade de gado com o sogro Florindo. Este se mudou para a fazenda do genro, localizada no Vale do Mucuri, Município da
 Cidade de Ataléia.
        Na festa de um ano do filho Tadeu, Ivanilde teve contrações e foi levada ao hospital Santa Rosária, onde deu à luz uma linda criança, loura, de olhos claros, cútis rosadas e muito chorona. Foi batizada com o nome de Vânia.  
        Com o passar do tempo Acyr, vendeu sua casa onde morava com a família e comprou outra ainda maior.
        Os negócios prosperavam. Ia sempre à Araxá fazer compras de gado. Aproveitando o ensejo, levava sua esposa para, juntos, se divertirem nas famosas termas daquela cidade.  
         De dois em dois anos, o casal tinha um filho, aumentando sempre sua prole.     
         Acyr construíra um prédio de uma esquina à outra no centro da cidade, sempre pensando no futuro dos filhos. Conseguira educá-los nas melhores escolas existentes no Rio de Janeiro e, mesmo, em Minas.
          Viveu oitenta e quatro anos de lutas, com vitórias e derrotas: mais vitórias do que derrotas.
          Mas, devido ao vício inveterado do fumo, contraiu um enfisema pulmonar, que o levou a óbito em maio de 1994. 
         Morreu como um homem de bem, deixando exemplos para toda uma geração. Era super-respeitado por todos, sempre honesto em seus negócios. Também caridoso e justo para com os mais humildes.
         Foi um marido e pai exemplar, verdadeiro chefe de família. Sempre auxiliou a todos, inclusive seus parentes menos favorecidos pela sorte. Sua ausência nos deixou um grande vazio.
        Pode-se dizer dele o que o Apóstolo São Paulo disse de si mesmo: “combati o bom combate, terminei minha carreira e não perdi a fé”
 
 
                
         
       

Tempo de carregamento:0,05