GERALDO DE CASTRO PEREIRA






AS RÃS PEDINDO UM REI


                  
                
 
            Esopo, um sábio de Atenas,
            Percebendo que, de fato,
            O povo não aceitava
            O tirano Pisistrato,
           
            Contou a história das rãs          
            Que nos pauis habitavam.
            Com certa libertinagem
            Elas jamais concordavam.
 
            Foram rogar ao Deus Júpiter
            lhes enviassem um rei
            Para coibir os abusos
            Com uma rígida lei.
 
            Júpiter, em zombaria,
            Dera-lhes, com desagrado, 
            Um pedaço de madeira
            Que no charco foi lançado.
 
            Mas o barulho do lenho,
            Ao tombar-se no banhado,
            Causou  às tolas rãzinhas
            Um pavor exagerado.
           
            Aquele  toco de lenha
            Muito tempo ali ficou.
            Mas, uma rã bem curiosa,
            O objeto examinou.         
 
            Vendo aquele simulacro                
            Que nem sequer se mexia,
            Convocou  todas as rãs
            Que nadavam à porfia.
 
            E todas, sem nenhum medo,
            Do lenho se aproximaram.
            Em cima dele subiram,
            Do mesmo muito zombaram.
 
            Ao Deus dos deuses, supremo,
            Fizeram outra proposta.
            E Júpiter prontamente
            Veio com uma resposta:
           
 
            Mandou-lhes uma rainha,
            Desta feita uma serpente.
            Tentaram dela escapar,
            mas tudo inutilmente.
 
            Várias delas foram mortas,
            Pela serpente engolidas;
            Algumas delas fugiram,
            Preservando suas vidas.
 
            E, então, as que restaram,
            Foram em busca de guarida.
            Rogaram ao deus Mercúrio
            Para ajudá-las na lida.
       
            Mercúrio falou com Júpiter,
            Que lhe respondeu na hora:                                 
            “Elas não quiseram o bom,
            Que o mau agüentem agora”.  
 
             Após essa narração,
             Disse Esopo – sábio mor:
             “Se não querem esse tirano,
              Pode vir outro pior.”
 

            Obs: Pisistrato foi um tirano da antiga Atenas.Governou  entre o período de 546 a 527 A.C.- 
             
 
 
 
 
 

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.