GERALDO DE CASTRO PEREIRA






Fábula: O Lobo e o Cordeiro.



      
 
O  LOBO   E  O   CORDEIRO
 
 
Pela sede compelidos,
A um  mesmo manso regato
vieram beber juntinhos
Lobo e um cordeiro pacato.
 
O lobo ficou acima
E mais abaixo o cordeiro.
O lobo provocador
Disse-lhe em tom zombeteiro:
 
-Por que turvas minha água,
A água que irei beber?
E o cordeiro assim responde,
Todo medroso, a tremer:
 
-Como sujar tua água,
Se mais abaixo eu estou?"
O lobo, sem argumento,
Uma falácia inventou::
 
“-Tu falaste mal de mim,
Isto seis meses atrás.
Não posso aceitar a ofensa;
de mim não escaparás’.
 
E o cordeiro, bem surpreso,
Respondeu , com um gemido:
“seis meses atrás, seu lobo,
Inda não era nascido”.
 
-“Então, se não foste tu,
Foi teu pai e com certeza.”
O lobo então arrebata
Com seus dentes sua presa.
 
Esta é a moral da história,
Que acontece tão freqüente:
“O mais forte e poderoso
Sempre oprime o inocente”.
 
                  
     Nota do Autor::esta é mais uma fábula de Fedro , aliás.bem difundida  Eu a traduzi do latim, embora de forma mais livre para melhor adaptá-la em versos heptassílabos.
         
          GERALDO DE CASTRO PEREIRA
 
 
 
 

CopyRight © Cepedê Sistemas & WebSites - Comércio eletrônico.