Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha







Airo Zamoner




Biografia


Airo Zamoner nasceu em 1940 e aos dois anos de idade começou a frequentar a escola. Antes de completar três anos, mudou-se para Londrina, norte do Paraná, onde passou boa parte de sua infância. Aos dez anos, matriculado no Internato Paranaense em Curitiba, aprendeu a estabelecer um comportamento de crítica e defesa diante das agruras, agressões e injustiças, quer das duras regras que imperavam, quer dos grupos de alunos que se formavam à revelia dos dirigentes da instituição. Nesse período, iniciou um íntimo contato com os livros. Entre os proibidos e permitidos, intercalou a leitura dos clássicos nacionais e internacionais. Com a mudança da família para Curitiba, trocou o ensino marista para o franciscano, cursando Contabilidade cuja profissão jamais exerceu.

Formação:
Sociólogo pela Universidade Federal do Paraná,
Jornalista, radialista por muitos anos, voltou-se para o magistério de matemática. Dirigiu escolas públicas por mais de dez anos. A faculdade de Direito foi interrompida por duas vezes e por fim abandonada, face às contingências da vida familiar. A tentativa de formar-se em Física também foi abortada. Concluiu pós-graduação em Análise de Sistema, na FAE. Entre várias empresas, fundou o Cepedê-Informática Pedagógica e, posteriormente, a Editora Protexto.

Início da vida literária:
Como chefe de redação de um jornal mensal, iniciou a publicação de crônicas e poesias e tornou-se membro do Centro Literário Emílio de Menezes. Convidado por Mbá de Ferrante, editor da antiga página literária da Gazeta do Povo de Curitiba, passou a publicar semanalmente seus textos, conquistando seus primeiros prêmios, entre eles, o primeiro lugar nos VII Jogos Florais de Curitiba, recebendo o título de sócio efetivo da União Brasileira de Trovadores.
Depois de um monótono e estafante trabalho em instituição bancária, passou a trabalhar na Rádio Santa Felicidade, onde conheceu Domingos Fucci, diretor artístico, tendo a oportunidade de desenvolver textos para o então "rádio-teatro". A partir de 1978 começou a publicação de livros, chegando hoje a cerca de 20 títulos. É membro da UBT/PR, da ACPAI e da UBE/PR.

Primeiras publicações:
Aprovado pela Editora Beija-Flor para a publicação de um texto infanto-juvenil, associou-se a outros escritores, fundando a CooEditora, a mais importante e romântica experiência editorial do Paraná. Nessa época, foi agraciado com uma menção honrosa pela União Brasileira de Escritores, prêmio Fernando Chinaglia, por um texto de sátira política, denominado AS COMPANHIAS DO PRESIDENTE. Pela CooEditora publicou: A CONSTRUÇÃO, O QUINTAL, AS COMPANHIAS DO PRESIDENTE, AS MULETAS DO GOVERNADOR e A CERCA DO JOÃO PREFEITO. Pela JUMAM LTDA, publicou CANTO SIDERAL, uma coleção de poemas crítico-filosóficos. Na editora LIVROS HDV, deu continuidade à publicação de textos infanto-juvenis até por volta do ano de 2000. A partir daí, seus livros passaram a ser publicados por sua própria editora, a Protexto, que vem dando oportunidade para novos escritores de todo o Brasil e do exterior.

Prêmios e honrarias:
Recebeu carinhosa homenagem da Câmara Municipal de Curitiba, numa iniciativa da Vereadora Dra. Rosa Maria Chiamulera. Recebeu também o prêmio Fernando Amaro outorgado pelo poder legislativo municipal de Curitiba. Foi colunista do Jornal O Estado do Paraná durante vários anos, mas hoje se dedica ao romance, aos contos e a sua função de Editor da Protexto.
Seus originais, OS EGMONS e BAGUNÇANDO BRASÍLIA, foram selecionados pelo Departamento de Ensino Médio do Governo do Estado do Paraná. VIM TE CONTAR VINTE CONTOS foi recomendado pela Secretaria da Cultura do Estado do Paraná. O livro SERÁ O BENEDITO? recebeu prêmio da Academia Municipalista de Letras de Minas Gerais. O livro AS COMPANHIAS DO PRESIDENTE recebeu o prêmio Fernando Chinaglia da UBE, em 1980. O conto CLAUDINE foi traduzido para o alemão e publicado em sites de literatura. O livro BAGUNÇANDO BRASÍLIA foi traduzido para o italiano por Marco Scalabrino.
A obra do autor já foi discutida como um todo por alguns estudiosos da área como, por exemplo, o Professor Dr. Vicente de Paula Ataíde. Entre suas diversas atividades, Ataíde é professor dos cursos de mestrado e doutorado em Literatura da Universidade Federal de Alagoas e da Universidade Federal de Santa Catarina. Em seu livro “Literatura Infantil e Ideologias”, publicado em 1995, Ataíde aborda a obra de Airo Zamoner, apresentando um estudo específico de cinco de suas produções.
Marilda Binder Samways, socióloga, licenciada em Letras, pós graduada, estudiosa da literatura paranaense, também discute a obra de Airo Zamoner. Publicou o livro “Introdução à Literatura Paranaense” em 1988, um dos títulos indicados até os dias de hoje como literatura necessária para ingresso nos cursos de mestrado e doutorado em Literatura da Universidade Federal do Paraná. Segundo Samways, a característica da obra de Airo Zamoner é a preocupação com a consciência crítica do leitor, que o autor faz com humor e sátira, desejando alterar a situação estabelecida.

Adélia Maria Woellner, escritora, pesquisadora, membro da Academia Paranaense de Letras, professora, se expressa como segue:
“Abrir um livro de Airo Zamoner é ser presenteado com uma passagem para a grande viagem da imaginação, do prazer e da emoção. Não há como ficar indiferente. Cada personagem se desnuda e comove. Airo é um verdadeiro “camaleão literário”, que se integra e entrega à criação; o criador desaparece no enredo; é como se a história criasse vida própria e transcorresse autonomamente. Pura ilusão! O autor tece e controla todas as tramas, líricas, dramáticas, cômicas, supra-realistas, aventureiras. Apenas não impõe sua presença. Nem poderia... foi integral e visceralmente absorvido pelo texto criado. É intrigante ler a obra de Airo Zamoner. Surge sempre a pergunta: como consegue ele transitar, com tanta naturalidade e com emoções tão intensas em tantos variados temas? Faz-se totalmente criança, comoventemente ancião, surpreendentemente mulher, conforme seja o enredo eleito. Assim, não há idades limites: atinge leitores de todas as faixas etárias, oferecendo aprendizado, pela qualidade do texto, e estímulo à imaginação, aos devaneios, à emoção profunda, com a linguagem figurada, que faz, da prosa, verdadeira composição poética. Por isso tudo, a obra de Airo Zamoner educa, diverte, extasia, provoca, instiga, emociona... é, enfim, a própria vida que se oferece em palavras.” - 15 de janeiro de 2005. (A leitura é transversal, Protexto, 2005, MS. Maristela Zamoner).

Produção literária:
O Quintal, fábula infanto-juvenil, 64 pg. – 9ª. edição
A Construção, romance juvenil, 64 pg. – 9ª. edição
Os Diabanjos, romance juvenil, 64 pg.
Bagunçando Brasília, romance juvenil, 112 pg.
O Vendedor de Cocadas, romance juvenil, 64 pg.
As Companhias do Presidente, conto infanto-juvenil, 32 pg. - 9ª edição.
As Muletas do Governador, conto infanto-juvenil, 32 pg. – 9ª. edição.
A Cerca do João Prefeito, conto infanto-juvenil, 32 pg. – 9ª. edição.
O Gatinho e o Velho Juiz, conto infanto-juvenil, 32 pg.
Será o Benedito? Conto infanto-juvenil, premiado, 32 pg.
Os Egmons, romance infanto-juvenil, 176 pg.
Vim te Contar Vinte Contos, contos, 128 pg.
Contos de Curitiba, 112 pg – 1ª. edição.
Dezoito Mulheres, dramas e amores, contos, 96 pg.
Os Segredos de Lauriana, 96 pg. Teatro.
A Arte de Escrever, desvendando mistérios, 2ª. edição.
Ciclo, sonetos.
Canto Sideral, poesias.

Projetos literários imediatos e/ou em andamento:
Bichos do Poder, crônicas publicadas em jornal
Contos do meu Canto, contos
Esse povo, ora esse povo maldito, crônicas publicadas em jornal
Analiel, romance juvenil.
Assumindo o controle, romance juvenil.
À procura da razão, romance juvenil de caráter filosófico.

Vida Empresarial

Fundou e dirigiu as seguintes empresas:

DIPEL Comércio e Distribuição de Papéis e Embalagens

PRINTEMPAR - Impressos, Embalagens e Materia Didático Ltda

JUMAM - Allbuns, agendas e artigos para presentes

CEPEDÊ - Informática Pedagógica

COOEDITORA - Editora 

PROTEXTO - EDITORA ZAMONER LTDA.

 





Textos de Airo Zamoner
A propósito do histórico dia 15 de março de 2015
Quebre seus cristais!
DEGUSTAÇÃO COMERCIAL
Quem domina o condomínio?
A urgente renovação ética
A tentação de lavar as mãos
Dicotomia
Um Autor a Serviço da Consciência
Resenha sobre "Os Egmons" escrita por Nelson Hoffmann
Se você tem um bom original, nós poderemos publicar.
Quem são eles?
Luísa, a amante do imperador
Quem fez a ponte do patriarca?
A viagem de Arlindo
Aconteceu no 5599
Liberdade perdida
O Cacareco de Curitiba
O Encontro com Arminda
Ouçam o silêncio!
ACABARAM COM NOSSA BOLA!
Massagem na Praça
Já trabalhei que chega!
O Calendário de Feliciano
Até o final de seus dias?
Eu era menino...
Aleixo e a feira
Salve-se quem puder!
A Raiva de Ermerenciano
O Balandrau
Roaldo, o avô
Como era mesmo o nome dela?
O Largo da Ponte*
Até Quando?
DUAS COISAS!
Passividade ou Conivência?
A Igualdade Final!
O aniversariante
Recostado no portão
Sofisma da divisão
Povo frouxo! Povo frouxo?
A Revolta das Bengalas
Bichos do Poder
Aurélio, Euclides e o Presidente
Flor sem futuro!
Pensamentos caóticos!
O PAÍS QUE EU QUERO!
Há um grito entalado!
Beleza é fundamental!
Nada mais será como antes
Acaso do ocaso
Quem paga essa conta?
As perguntas de Fidêncio
O choro das crianças
Não nos subestimem!
A lista do Malaquias
Os patetas-bandidos
Ah, se este povo soubesse!
ONDE ESTÁ MEU PAÍS?
A carreira de Lalo
APESAR DE TUDO, SORRIA!
Calma, Vergueiro!
Apenas dois inocentes!
Os bombons de Joceu
OS CHORÕES DA REPÚBLICA
Gaudiano, o diabo
O título de Izordina
O motel do aposentado
Leocadita
O caixote
A choupana de Augustim
O filósofo do parque
Edinardo, o padeiro
O conselho
Olhos desbotados
A partilha da rapinagem
Neo-obscurantismo
Juventude sem alma
Sou brasileiro e não desisto nunca!
Mediocridade para todos!
Os bruxos nos governam
A escolha do tirano
A garrucha de Altivino
O contrato
O pacotinho do Zé
OS NATAIS DE VALDEVINA
O primeiro abraço de Octacílio
A traição de Camila
Entre o azul e o vermelho
Emenda constitucional
Amor platônico
Antônia e Anselmo
A cadeira de vime
O macacão de Clementino
A terceira intenção
Aurita
Vida vazia, vida marota!
Bomba nas eleições!
Fotos, fatos e falas
Quem será?
Sala trinta e quatro
A fuga de Lúcio
O amante da prima
Os sujos invadem o picadeiro!
Não sou mais presidente!
Lupiano, amigos e pedras
A corrida
As lágrimas de Dominique
Paixão covarde
O que você está fazendo aí?
A caneta do Presidente
Lecabel, o Ministro
Eustáquio, o covarde
ZORTA, A IGNORÂNCIA
Luiz Lázaro traiu Poliana Volnéia
Meu encontro com Nhanga
A MULHER-HOMEM
O varal de Dona Glena
A DOCE LUDMILA
A suculenta índia apaixonada
CRIME CONSENTIDO
O Honório, quem diria?
A SECRETA PAIXÃO DE NOÊMIA
A INDISPENSÁVEL FORMAÇÃO DO ESCRITOR
A AMANTE DO PRESIDENTE
OS FILHOS DE LAICOS E LAGEL
CONVERSA ENTRE MINISTROS
UM PRATO DE LIVROS!
Finalmente, a verdade!
O QUE HÁ ALÉM DO FOSSO?
PRESIDENTE! O SONHO ACABOU...
AHLOFA, SONHOS E DORES
A SURPRESA DE MARIETA
O MERGULHO
A DESCOBERTA DE LAURO
MALANDROS, INGÊNUOS, RIDÍCULOS
A CHEGADA DE XENIK
OS PORCOS AGUARDAM ANSIOSOS
A ESPERANÇA E O LIXO!
O MOTIM
ALÔ! QUEM FALA?
O DEMÔNIO E O ELEITO
A GUERRA DE HALA
RECADO AO PRESIDENTE
CEGO
OBRA PRIMA
REBELDIA
A PAIXÃO DE ERINE
O MENINO E OS IPÊS
GUITA É DIFERENTE!
AS ARMADILHAS DO AMOR
QUEM É VOCÊ?
O BECO DE NAZIRA
CARDÁPIO DE GARIMPEIRO
CRÔNICA, CONTO, ROMANCE, NOVELA...
ELEONOR
CLAUDINE
A TRAIÇÃO



Tempo de carregamento:{elapsed_time}